Uma rápida história sobre “The Guns of Brixton”, clássico do The Clash

Escrita pelo baixista, Paul Simonon, “The Guns of Brixton” surgiu a partir da necessidade (alguns diriam inveja) que o músico tinha em desfrutar da divisão de royalties (leia-se direitos autorais) do The Clash. Ao apresentar as letras de sua primeira composição para Joe Strummer e Mick Jones, Simonon não imaginava que contribuiria com um dos maiores clássicos do grupo.

“O microfone estava à direita, contra o vidro da sala de controle, e logo atrás do vidro estava um cara [talvez algum executivo] da CBS americana. Provavelmente é por isso os vocais saíram do jeito que saíram” – Paul Simonon

Image and video hosting by TinyPic

Em 1981 e 1985, o bairro de Brixton, localizado ao sul de Londres, foi local de violentos conflitos raciais entre policiais [brancos] ingleses e imigrantes afro-caribenhos. Paul Simonon cresceu na região, ou seja, conhecia como poucos a tensão da periferia londrina.

Image and video hosting by TinyPic

Image and video hosting by TinyPic

Image and video hosting by TinyPic

O tema de “The Guns of Brixton” gira em torno de Ivanhoe Martin (mais conhecido como Rhyging), personagem [não fictício] do filme The Harder They Come (1972), dirigido por Perry Henzell e protagonizado por Jimmy Cliff (ouça a trilha logo abaixo).

You see, he feels like Ivan
Born under the Brixton sun
His game is called survivin’
At the end of the harder they come

Apesar da ótima recepção na época de seu lançamento, a faixa não foi escolhida como single. Isso até 1990, com o relançamento do álbum London Calling em CD, destacando “The Guns of Brixton” como compacto simples, apresentando o remix “Return to Brixton” como lado b.

A nova versão caiu nas graças do público e alcançou a 57ª posição nas paradas de sucesso da Grã-Bretanha.

Curiosidade: O relançamento em CD do álbum London Calling, em 1990, custou caro a Paul Simonon. Um erro de digitação no encarte do disquinho fez com que o cantor Paul Simon (da dupla Simon & Garfunkel) recebesse os créditos pela composição de “The Guns of Brixton”.

Ainda em 1990, o grupo de música eletrônica Beats International (liderado por Norman Cook, que na época ainda atendia não pelo pseudônimo Fatboy Slim) lançaria o single “Dub Be Good To Me”, sampleando o contrabaixo de “The Guns of Brixton”. Paul Simonon recebeu os devidos créditos pela colaboração (assista ao clipe logo abaixo).

Depois de “The Guns of Brixton”, Paul Simonon (que também gravou as guitarras na versão de estúdio) passou a integrar cada vez mais o time de compositores do The Clash.

Nas apresentações ao vivo, o grupo costumava revezavar três vocalistas nas três primeiras músicas (Joe Strummer, Mick Jones, Paul Simonon). Nada mal para uma primeira composição.

Para finalizar, todos os takes isolados da obra-prima de Paul Simonon.

[Capas de Discos] Sonic Youth – Goo

Image and video hosting by TinyPic

Lançado em junho de 1990, Goo, sexto álbum de estúdio do Sonic Youth, carrega uma história bastante pesada em sua capa. Tudo começou no início dos anos 1960, quando o casal Ian Brady e Myra Hindley aterrorizou a Inglaterra após assassinar três crianças e dois adolescentes na região metropolitana de Manchester. Os crimes envolviam abuso sexual e os mais variados tipos de tortura antes e durante as execuções, friamente registradas em fotos, vídeos e áudios.

Em 1966, a história muda para Brady e Hindley, quando David Smith, cunhado de Myra, denuncia o casal após ser obrigado a assistir ao esquartejamento de Edward Evan, a última das vítimas. A fotografia que virou ilustração nas mãos de Raymond Pettibon, especialmente para o disco em questão, mostra Maureen Hindley (irmã de Myra) e David Smith a caminho do tribunal para testemunhar sobre o caso.

Abaixo, um filme que explora a história de Ian Brady e Myra Hindley, lembrados como “Os Assassinos do Pântano” (por enterrar os corpos na região pantanosa de Saddleworth, Manchester). Lançado em 2006, See No Evil na verdade é uma minissérie com dois episódios unidos em um único vídeo.

Outras bandas também foram bastante influenciadas pelos assassinos do pântano. Entre elas, The Smiths, que escreveu uma canção sobre o assunto (assinada por Morrissey, que na época dos crimes tinha a mesma idade das vítimas) e The Moors Murderers, grupo punk londrino que contou com Steve Strange, Chrissie Hynde e Topper Headon na formação.

Para finalizar, o álbum que nos trouxe até aqui: Goo, do Sonic Youth.